Parto do princípio: se tem gente morando lá, eu também posso ir. Porém, é claro que cuidados são necessários.

Caminho de Santiago: fiz duas vezes sozinha, uma ferramenta incrível de auto-conhecimento.

1 – Você tem medo de quê?

Essa primeira pergunta, só você vai saber responder. E ela é fundamental! Quais são seus medos? São reais ou com base em opinião dos outros? Diferencie o que é medo do que é risco real. Se você sofreu algum trauma como abuso, a ajuda de um psicólogo pode ser importante.

2 – Comece devagar

Você não precisa ter nascido pronta para colocar uma mochila nas costas e se jogar sozinha no mundo. Não se cobre! Comece devagar. Como? Vá sozinha ao cinema, por exemplo, passe um um final de semana sozinha na praia.
Em algum momento, você se sentirá confortável e segura para dar um passo maior.

3 – Viajar com desconhecidos pode ser o primeiro passo

Se você não se sente confortável em ir sozinha, comece a se desprender viajando com desconhecidos.
Por exemplo, compre um pacote de viagens em uma agência de turismo, você terá a oportunidade de viajar com pessoas que nunca viu antes.

Existem na internet diversos grupos para parceria de viagens, eu já usei muitos deles e fiz amigos incríveis!

4 – Fique em um hostel

O hostel é um tipo de pousada, com o estilo mochileiro, isso significa: um lugar fácil de fazer amizades.
Não necessariamente você precisa ficar em quarto compartilhado com homens (beliches onde você aluga a cama e divide o quarto com desconhecidos).

Alguns hostels oferecem quarto só para mulheres ou, ainda, a opção de quarto privativo. Ou seja, você pode aproveitar a área comum do hostel para fazer amizades, mas ir dormir sozinha no seu quarto particular.
Ao contrário do que muitos pensam, a maioria dos hostels não colocam limite de idade para os hóspedes.

Festa no hostel durante furacão nas Filipinas

5 – Não tenha vergonha de ir sozinha